Convex Hull no gvSIG

Preparei um novo tutorial sobre operações espaciais no gvSIG, desta vez sobre a geração de Convex Hull (Envoltório Convexo). Mas antes de começar a trabalhar com este tipo de procedimento é importante entendermos o conceito implícito em sua utilização.

ALGORÍTMO CONVEX HULL

O algoritmo utilizado na operação Convex Hull objetiva gerar o menor polígono que englobe um determinado conjunto de pontos. Opera somente com uma única camada de entrada por vez, cujo tipo de geometria poderá ser de qualquer tipo.

No exemplo deste tutorial vamos considerar a seguinte situação: Deseja-se determinar a menor poligonal que envolve um uma amostra de treze focos de dengue.

Para os procedimentos abaixo utilizei o gvSIG 1.9 Portable. Você perceberá que o processo é bem simples.

1° Passo: Carregar os Dados

Você pode baixar os pontos que representam focos de dengue (em formato shapefile) usados neste tutorial clicando aqui. Estes dados estão no sistema de coordenadas geográficas Lat/Long e DATUM SAD69 (EPSG:4291).

Para adicionar dados em uma Vista do gvSIG utilize o ícone ou acesse o menu Vista => Adicionar Capa, ou ainda pelo atalho Alt + O. A imagem abaixo ilustra a distribuição espacial dos focos de dengue.

Focos de Dengue

OBS: Caso você tenha alguma dúvida sobre como iniciar um projeto no gvSIG, consulte o tutorial “Dando os Primeiros Passos com o gvSIG“, que pode ser baixado na seção correspondente do Portal ClickGeo (veja o link no fim desta postagem).

2° Passo: Acessar o Gestor de “Geoprocessos”

Você pode acessar o Gestor de Operações de Geoprocessamento através do ícone  , ou então pelo menu Vista => Gestor de Geoprocessos.

Será aberto uma janela semelhante a mostrada abaixo com uma série de opções de operações espaciais disponíveis através desta ferramenta do gvSIG.

Escolha a opção destacada na imagem, clicando em Convex Hull e em seguida em “Abrir Geoprocesso“, na parte inferior da janela.

Geometria Computacional - Convex Hull

3° Passo: Definir Parâmetros da Operação

Na janela que será aberta na sequência é necessário informar sobre que camada de informação a operação será realizada (capa de entrada), em nosso exemplo no plano Focos_Dengue.

Caso apenas alguns dos pontos tenham sido selecionados, é possível configurar para que a operação considere apenas estas entidades na geração do polígono.

Também é preciso fornecer o diretório onde será salvo o arquivo shapefile gerado (capa de saída).

Ferramentas de Análise

Após realizar a operação o gvSIG perguntará se você deseja que a nova camada de informação seja carregada na Vista. Mesmo que você não faça isso neste momento, logicamente poderá fazer quando desejar.

Resultado da Operação

A imagem abaixo representa o resultado obtido nesta operação. Na representação “A” temos apenas os pontos e  em “B” a visualização dos novo layer junto com a camada de entrada.

Comparação

Lembre-se de que basta mover a ordem das camadas para que os pontos fiquem sobre o polígono.

Esta operação é útil para situações como determinar áreas de abrangência de um determinado fenômeno geográfico, cálculo de diâmetro da zona coberta por uma série de geometrias, e assim por diante.

Você pode baixar a versão em PDF deste e de outros tutoriais sobre este programa na seção gvSIG do Portal ClickGeo.

Espero que tenham gostado. Deixe seu comentário!

@ClickGeoCurta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

Consultor em Geotecnologias, graduado em Geoprocessamento. Instrutor de diversos cursos, presenciais e online, sobre Geotecnologias com Softwares Livres com ênfase em QGIS, gvSIG, PostgreSQL/PostGIS, MapServer e i3Geo.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *